Amor é maravilhoso, mas não é suficiente

A ambição de qualquer uma de nós, é encontrar um relacionamento amoroso onde o amor seja rei… e senhor. Todas sonhamos com isso!

Eu, apesar de alguns romances falhados, onde o amor foi sobrevalorizado, tenho a sorte de estar casada com o Homem que mais amei até hoje! Mas, apesar do amor que nos une, este relacionamento dura há 18 anos, porque existem outros valores aos quais damos muita importância, para que o amor que sentimos um pelo outro possa continuar bem vivo dentro de nós.

Quantos casos de relacionamentos tóxicos conhecemos, tudo em nome do amor?

Quantos relacionamentos se perpetuam, onde impera a violência física, psicológica e emocional em nome do amor?

Quantos casais conhecemos ou já ouvimos falar que se amam, mas não conseguem fazer resultar a sua relação?

Acredito, que para além do amor, tem de haver, identidade de valores, respeito pela individualidade do outro, comprometimento com a pessoa que amamos. Afinal, mesmo quando tudo se enquadra e funciona, manter um relacionamento amoroso dá trabalho e exige entrega e disponibilidade.

Quando acreditamos que o amor é suficiente para que um relacionamento resulte, mais facilmente, sacrificamos os nossos valores, respeito próprio, dignidade, propósito de vida, a nossa integridade física e emocional, todo em nome de um amor tóxico que sobrevalorizamos.

Tendemos a acreditar que, se o amor resolve tudo, é uma questão de tempo, não precisamos de nos preocupar com as outras coisas difíceis.

É claro que o Amor é muito importante, e muita coisa se resolve quando há amor, mas amor é emocional, para fazer resultar um relacionamento tem de haver também uma boa dose de racionalidade.

Culturalmente tendemos a idealizar o amor. Quem não gosta de um bom filme, com uma boa história de amor, em que apesar de todas as adversidades, no final o amor vence e temos o tão esperado Happy End?!

Infelizmente na vida, nem sempre acontece assim.

Os relacionamentos amorosos para além de encherem a nossa vida de amor, também devem servir para complementar a nossa identidade e não destrui-la ou substitui-la.

Se, em nome do amor, tolerarmos mantermo-nos em relacionamentos que nos desrespeitam ou que são abusivos, estamos a permitir que esse amor nos consuma e nos destrua e se não tivermos cuidado, não sobrará réstia da pessoa que fomos um dia. Que tipo de amor é este?!

Um relacionamento amoroso, pressupõe ser um projeto a dois, construtivo, baseado em amor verdadeiro, respeito mútuo e sem nunca perder de vista a nossa dignidade e o direito à nossa individualidade.

Sabemos que é possível apaixonarmo-nos várias vezes ao longo da nossa vida, é possível que nos apaixonemos por pessoas que são boas para nós e outras que não nos servem de todo. Esta é a maior prova de que amor é bom, mas não é suficiente.

O amor é, de facto, uma das melhores experiências que a vida pode ter, e todas devemos aspirar a vivê-la. Mas como qualquer experiência, pode ser boa, ou não.

Para mim, um relacionamento amoroso bem-sucedido, implica querermos ser em cada dia pessoas melhores, por nós e pelo outro, implica crescimento conjunto e individual, implica um caminho a dois, mas que ainda assim, permite espaço para que cada um viva o seu caminho e faça a sua jornada. Um relacionamento amoroso saudável não pode definir a nossa identidade, o nosso propósito, pois caso o faça, deixará de ser saudável.

Outro valor que considero imprescindível num relacionamento, para além do amor, é estar inteira, sem tretas de tentar ser aquilo que não se é, só para agradar ao outro ou tentar ir ao encontro das suas expetativas. Temos que nos mostrar verdadeiramente, temos que estar na relação com autenticidade.

O amor verdadeiro é vulnerável, arriscado e exposto. Por isso não acredito em relacionamentos sem vulnerabilidade, mesmo que haja amor.

Como podemos amar alguém verdadeiramente que não se mostra, que não corre riscos emocionais, que não conhecemos de forma autêntica?

É normal que cada uma de nós tenha visões diferentes do amor e da sua importância nos seus relacionamentos amorosos e, ESTÁ TUDO BEM…, mas esse amor tem de servir sempre, para nos empoderar e nunca para nos destruir, ou, não será Amor.

@orlanda_sampaio

Comments

  1. JPS

    Muito bom, “miúda”.
    Estou em absoluta sintonia com estas palavras, talvez porque, também eu, tenho a sorte de viver o Amor da minha vida toda.
    Um bj para a mulher que sabe muito bem o que é uma vida a 2.
    J

Add A Comment